Calvino: um cara “sangue nos óio”

Calvino: um cara “sangue nos óio”

Calvino foi um teólogo viveu na Europa durante o período da Reforma Protestante (século XVI) e ficou conhecido como criador de uma da novas formas de cristianismo que marcaram este período. A Reforma Protestante foi um movimento de críticas às práticas imorais da Igreja Católica, sobre o qual já falei em outro texto. Além disso, foi fruto de um processo de transformações que envolvia o fortalecimento da burguesia (insatisfeita com tratamento recebido pela Igreja), o crescimento econômico dos centros urbanos da Baixa Idade Média, a mudança de paradigma racional – que introduziu a metodologia científica e favoreceu o abandono do teocentrismo medieval – e, por fim, a ascensão de monarquias absolutistas que voltavam seus olhos centralizadores para as propriedades da Igreja Católica, que detinha quase dois terços do território europeu sob sua tutela. #SacroImpérionãomerepresenta

Toda esta situação favoreceu questionamentos às práticas religiosas e, por consequência, a ocorrência de críticas e revoltas às interpretações conferidas ao cristianismo da época. Dessa forma, percebemos já desde o século XV a presença de manifestações, como o caso do icônico ato de rebeldia do sacerdote de origem humilde, Jan Hus, na atual República Tcheca. Este foi o primeiro registro oficial de manifestação contra a Igreja, realizado por um pobre sacerdote que se colocou contra a autorização papal de venda de indulgências para arrecadar fundos para a Igreja. Algo que terminou muito mal para Hus, que acabou queimado após sofrer um julgamento do Tribunal do Santo Ofício.

Munumento à Jan Hus, em Zlenice, na República Tcheca

Monumento à Jan Hus, em Zlenice, que é um distrito do município de Benesov na República Tcheca. Essa é uma TENTATIVA de tradução, com ajuda do BENDITO GOOGLE TRADUTOR: “Procure e deixe-o procurar a verdade, verdade, verdade Milus, diga a verdade, mantenha a verdade e a verdade até os portões da morte. – Mestre Jan Hus: o santo pai da Reforma Tcheca.” Para mais informações em português sobre o “pai da Reforma Tcheca”, dê uma lida em  www.wilson-alves.net IMAGEM: Profimedia.cz 

Depois de sua morte, os populares ficaram P&¨%$ da vida e deram início a uma série de revoltas  que impulsionaram a organização de um grupo rebelde denominado de HUSSITAS, os quais realizaram uma confederação de regiões insurretas. Juntos, estes grupos passaram a negar a autoridade do Imperador do Sacro Império Romano, assim como qualquer imposição por parte da IGREJA. UMA TREMENDA “TRETA” que levou homens, mulheres, idosos e crianças e pegarem em armas para defender seu território contra determinações de órgãos que não representavam seus princípios religiosos e morais.

Apontado pelo Filósofo e doutorando pela USP, Wilson Alves Sparvol, em seu blog, como “o famoso reformador da Boêmia“, o martírio de Jan Hus gerou  forte impacto sobre sobre um jovem monge do início do século XVI, chamado Martin Luther (conhecido em português como MARTINHO LUTERO), o qual viria a ser entendido pelos historiadores como um dos iniciadores da reforma religiosa na Europa deste período, junto com o pastor Jean Calvino e o rei inglês Henrique VIII, por realizarem um completo desafio à soberania do Papa e da Igreja Católica. Mas, hoje, nosso papo é sobre o cara “sangue nos óio”: CALVINO.

Esse francês do cavanhaque aí embaixo viveu  entre 1509-1564 e é tido como figura importantíssima para o desenvolvimento da uma prática cristã chamada Calvinismo, cujos aspectos implicam a teoria da predestinação, ou seja, que o ser humano já nasce destinado à salvação da alma (ou não). Influenciado diretamente pelas ideias do teórico medieval Santo Agostinho (354-430) que, ao escrever obras como “Confissões” e “Cidade de Deus”, introduziu a perspectiva de que o homem seria o exemplo da imperfeição e herdeiro do pecado original, enquanto Deus representava tudo de mais perfeito no universo. Com claras influências de Platão, este intelectual defendia a teoria da predestinação, pautado no princípio de que a “fé precede a razão”.

Gravura colorida de forma digital que apresenta Jean Calvino FONTE

Gravura colorida de forma digital que apresenta Jean Calvino FONTE

Além disso, este teórico defendia o poder absoluto de conversão do Espírito Santo, que segundo esta teoria, atuava sozinho sobre o homem e seria capaz de propiciar a conversão para salvar a alma humana da “danação eterna”! Muahauhauha!!!

olocomeu

Como vocês devem imaginar, as afirmações de Calvino geraram enorme polêmica, quando associadas às críticas que ele realizava contra as práticas luxuosas e pecaminosas da Igreja. Fato que levou o horripilante Tribunal do Santo Ofício, instituição destinada a perseguir, torturar e julgar pessoas cujas atitudes e ideias iam contra os rígidos dogmas católicos – mas eles eram legais, sabe? Deixavam a execução do HEREGES à cargo das instituições temporais, tá! #tremendatreta

Enfim, com a Santa Inquisição na sua “cola”, Calvino foi até a Suíça, reino independente e sem unidade política centralizada, próximo da França, que era o segundo maior centro de arrecadação de dízimos e impostos da Igreja Católica e estava repleto de burgueses cansados de serem acusados de atos de heresia como a usura e avareza. Nessa época a Suiça tinha acabado de passar por uma Guerra Civil que dividiu o Norte protestante e o Sul católico deste reino em um conflito que durou entre 1529 e 1531. Ali teve contato com a história do lider protestante Ulrich Zwigli, cuja morte degringolou na assinatura de um tratado de paz entre as partes (chamado Paz de Kappel), o qual estabelecia autonomia religiosa para cada uma das regiões. Fato que favoreceu o deslocamento do centro relioso protestante de Zurique para Genebra, onde estava “o da barbixa”.

Em 1536 Calvino deu continuidade ao discurso protestante, focado na predestinação, de Zwigli e, com isso, conseguiu ganhar o apoio dos ricos comerciantes que viviam na região ao apresentar ideias que colocavam o trabalho árduo e a prosperidade financeira como sinais de aprovação divina, baseados na afirmação de que “o trabalho dignifica o homem”. Além disso, defendia leis morais rígidas (em contraposição aos “atos falhos” do padres católicos “safadénhos”) e a valorização das Santas Escrituras, que tinham acabado de passar por uma tradução de Lutero para a língua comum – fato histórico que é considerado a criação da língua alemã.

Mas não parava por aí não!!! Em 1541 todo este “prestígio” levou Calvino ao poder, em Genebra. A partir de então, O CARA FICOU “SANGUE NOS ÓIO”: Estabeleceu uma rígida teocracia, cujas leis determinavam a condenar o luxo e à adoração de imagens, assim como toda à hierarquia eclesiástica católica – que iam contra suas pregações sobre uma vida modesta e o ambiente austero para o culto. Contudo, a mais polêmica de suas atitudes com certeza foi a criação de um órgão parecido com o Tribunal do Santo Ofício (igualzinho o que o perseguiu, lembra?) para controlar os costumes e ações das pessoas. Tudo isso com o apoio da burguesia, claro. #juntouainstisfaçãocomavontadederezar

Bíblia traduzida por Lutero que ofereceu, pela primeira vez, a possibilidade de conhecer esta história em uma linguagem comum

Bíblia traduzida por Lutero que ofereceu, pela primeira vez, a possibilidade de conhecer esta história em uma linguagem comum

CURIOSIDADES SOBRE OS COSTUMES CALVINISTAS:

 

Grant_Wood_-_American_Gothic_-_Google_Art_Project

Quadro icônico “American Gothic” de Grant Wood, 1930. American Art  Fonte

De uma maneira geral, os Calvinistas deviam viver de maneira modesta. Então qualquer dos ítens abaixo tinha potencial para a discórdia na igreja:

– Homens e mulheres deviam vestir-se de maneira discreta. Isso significa que todos se vestiam  praticamente iguais, já que todos são iguais perante a Deus. Assim, “excesso de identidade” é pecado. Os homens vestiam-se com calça e sapatos escuros, camisa de manga longa e chapéu. As mulheres com vestidos de cores claras e sem estampas, cabelos presos e cobertos por uma touca. Não tem essa de look do dia. O de hoje é igual de ontem que é igual de amanhã, que é igual do vizinho.

– Já que o trabalho dignifica o homem, é dever do homem dedicar-se e ser responsável pela prosperidade da família, que é vista como a recompensa divina por seu esforço. Por falar nisso, o lucro proveniente do trabalho deve ser reinvestido, guardado para o futuro e/ou doado para a igreja. Um fiel ostentador não pega bem.

Qualquer entretenimento como teatro, dança, música era considerado pecaminoso e os pecadores deveriam ser punidos (geralmente com chibatadas, penitência ou jejum, sério).

– Não pode se divertir. Também é pecaminoso. Suas alegrias devem ser as graças dadas à Deus por suas conquistas. Comemorar discretamente, por favor.

– Frequentemente batizavam seus filhos com crenças ou condutas religiosas como Abençoada, Batismo, Silêncio, Castidade, Fé….

COMENTÁRIOS

Desembuche aqui:

Share this:

About the Author

PaleoNerdMe chamo Denis e sou professor de História. Concluí minha Graduação em Licenciatura em História na Universidade Estadual Paulista – UNESP, Câmpus de Assis-SP em 2009. Em 2014 concluí minha Especialização em Educação, Arte e Multimeios pela Unicamp. Atuo na área desde 2010, ministrando aulas para o Ensino Fundamental, Ensino Médio, Cursos Pré-Vestibulares, assim como, palestras e oficinas para jovens e adultos.

View all posts by PaleoNerd

Leave a Reply