Os “baladeiros” Iluministas

Os “baladeiros” Iluministas

O iluminismo foi um movimento intelectual resultante de todo o processo de reconfiguração social, econômica e cultural que marcou a Era Moderna e tinha o objetivo de atacar as estruturas fundamentais do Antigo Regime. Isto porque esta organização (que foi interessante para o desenvolvimento das manufaturas e para o enriquecimento burguês) já não atendia mais os interesses financeiros deste grupo social, que buscava maior autonomia para decisões dentro do governo e expandir seus negócios para além das fronteiras dos Estados Nacionias.

 Neste sentido, seus participantes se negavam a aceitar a hegemonia do pensamento religioso católico, assim como não reconheciam os governos despóticos absolutistas. Por fim, estes pensadores colocaram em cheque todo o ordenamento de ideias de sua época e criticava o ordenamento monopolista do mercantilismo, pautados na perspectiva que a ciência e a razão seriam os instrumentos fundamentais para se conhecer e dominar a natureza. Algo que era tema de debates em diversas reuniões e festas que eram realizadas por estas pessoas – #baladailuminista

As pintura de Joseph Wrigth são muito úteis para ajudar a demosntrar aspectos do pensamento iluminista. "Air Pump" revela a importância dada aos experimentos científicos, como forma de favorecer o desenvolvimento intelectual do ser humano.

As pintura de Joseph Wrigth são muito úteis para ajudar a demosntrar aspectos do pensamento iluminista. “Air Pump” revela a importância dada aos experimentos científicos, como forma de favorecer o desenvolvimento intelectual do ser humano. fonte: Web Gallery Art

Encabeçado por membros da burguesia, a “Era das Luzes” defendia que este era o período em que as luzes do conhecimento vinham para aplacar as trevas da ignorância e sua denominação foi resultado de um artigo elaborado pelo filósofo de Koningsberg, Emmanuel Kant que, ao escrever “Que é o Eclarecimento” (em alemão,  Aufklärung). Neste texto, Kant defende que o homem, deve ter coragem para sair da sua condição de incapacidade de fazer uso do próprio entendimento e ter coragem para buscar o próprio esclarecimento – é claro que isso é um resumo de sua ideia, mas se você clicar no link que está no nome do artigo, poderá lê-lo por completo, cabeçudo!

Monumento dedicado à posteridade em memória do incrível loucura do ano vinte do século XVIII.

Monumento dedicado à posteridade em memória da incrível loucura do ano vinte do século XVIII. – Imagem que faz uma crítica à emissão desmedida de moeda pelo Banco Geral, em meio a crise econômica que marcou os anos vinte do século XVIII. As gravuras começavam a ficar cada vez mais populares neste período. Fonte: L´Historie par L´Image

Inserido no processo de avanço capitalista da primeira fase da Revolução industrial,  desencadeada durante o século XVIII, o pensamento iluminista tinha a palavra LIBERDADE como tônica de seu discurso. Presente nos discursos de diversos autores que falavam em liberdade política, a liberdade de pensamento e a liberdade econômica – que eram discutidas de forma apaixonada nos cafés e festas, que podiam durar a noite toda! Nessa época, vemos, também, o desenvolvimento da tecnologia de impressão permitiu um enorme incremento na quantidade de publicações (panfletos, revistas e periódicos) que se expalharam por toda Europa, cuja temática ia desde o humor, drama, notícias sensacionalistas, até mésmo pornografia! #iluministassafadénhos

Pintura anônima de um café, em Londres, no ano de 1668. Este era um importante ponto de encontro entre estudantes, escritores e todo tipo de pessoas interessadas numa conversa sobre as ideias defendidas pelos iluministas.

Pintura anônima de um café, em Londres, no ano de 1668. Este era um importante ponto de encontro entre estudantes, escritores e todo tipo de pessoas interessadas numa conversa sobre as ideias defendidas pelos iluministas. FONTE: Material Culture, Univesidade de Toronto

Estes documentos eram escritos por intelectuais como John Locke, Rousseau, Voltaire e Montesquieu e traziam ideias inovadoras, como a liberdade de expressão, a DESIGUALDADE existente entre os homens, os DIREITOS NATURAIS (à vida, à liberdade, à propriedade) do homem ou direito que o povo teria de resistir à tirania de governos opressores. Além disso, podemos encontrar a iniciativa de Denis Diderot e Jean D´Lambert, que procuraram criar uma série de obras destinada compilar os conhecimentos do homem. Denominada Enciclopédia (1751), esta obra (caríssima, por sinal) reunia as grandes descobertas científicas e técnicas da época, assim como das artes e dos ofícios e contou com a colaboração de quase todos estes intelectuais citados! Lá é possível encontrar descrições de verbetes ilutrados que tratavam sobre os mais variados assuntos, indo desde política até moda.

Gravura inglesa do século XVIII que mostra as "Variedades de mulheres bêbadas". Apesar de muitas inovações, o pensamento misógino persistia entre os iluministas.

Gravura inglesa do século XVIII que mostra as “Variedades de mulheres bêbadas”. Apesar de muitas inovações, o pensamento misógino persistia entre os iluministas.

A ideia desses caras teve tanta influência neste período que os próprios governantes absolutistas, ao perceberem que seria dificil lutar contra esta “tendência” decidiram realizar reformas de modernização em seus países, de forma a introduzir alguns aspectos dos princípiops iluministas. Esta forma de reconfiguração do governo recebeu o nome de Despotismo Esclarecido e foi uma tentativa destes governantes de manterem-se no poder em meio a estas mudanças. Contudo, tudo que conseguiram foi retardar este processo, já que a contradição entre as práticas de uma política absolutista, associada à administração iluminista faltamente terminaria por engendrar a deposição destas pessoas. Como exemplo de déspotas esclarecidos, podemos citar a Catarina II, da Rússia, que governou entre 1762-1796, ou mesmo o rei português José I, que elevou o Marquês de Pombla à condição de Secretário de Estado para Assuntos Exteriores, entre 1755 e 1777. Mas as intervenções pombalinas nas regiões coloniais precisará ficar para outro momento. 😉

Talvez a obra mais conhecida de Joseph Wrigth, "A Philosopher Lecturing with a Mechanical Planetary" (1766) demonstra o valor dado ao conhecimento e sua consequênte associação à luz, já que as criaças admiram o experimetno, absorvidas pelo saber.

Talvez a obra mais conhecida de Joseph Wrigth, “A Philosopher Lecturing with a Mechanical Planetary” (1766) demonstra o valor dado ao conhecimento e sua consequênte associação à luz, já que as crianças admiram o experimetno, absorvidas pelo saber. Fonte: Web Gallery Art

#AIAIHojeeuapanhoemcasa

 

COMENTÁRIOS

Desembuche aqui:

Share this:

About the Author

PaleoNerdMe chamo Denis e sou professor de História. Concluí minha Graduação em Licenciatura em História na Universidade Estadual Paulista – UNESP, Câmpus de Assis-SP em 2009. Em 2014 concluí minha Especialização em Educação, Arte e Multimeios pela Unicamp. Atuo na área desde 2010, ministrando aulas para o Ensino Fundamental, Ensino Médio, Cursos Pré-Vestibulares, assim como, palestras e oficinas para jovens e adultos.

View all posts by PaleoNerd

Leave a Reply