O Castelo Animado

O Castelo Animado

Essa semana o site de notícias BuzzFeed.com publicou um artigo que elogiava o belo trabalho da artista norte-americana Sonja Cool para a convenção anual dos fãs de ficção-científica e fantasia, chamada CONvergence. Para quem não sabe, as convenções são reuniões periódicas, nas quais milhares de pessoas apaixonadas por quadrinhos, animações, games, literatura e tudo mais que envolve o universo geek se juntam para debater roteiros, realizar competições de games, desfiles de fantasias, comprar novos itens para suas coleções e festejar!

Chamada para CONvergence de 2016. FONTE

Chamada para CONvergence de 2016. FONTE

Estes eventos começaram como meras reuniões organizadas por grupos de fãs e, hoje em dia, se transformaram em uma verdadeira indústria que reúne milhares de amantes da cultura geek para conhecerem as últimas obras lançadas e participarem de conversas com quadrinistas, roteiristas, diretores, dubladores e outros personagens que participam no processo de criação deste material. Agora que entendemos um pouco melhor o que são as convenções, fica mais fácil entender que esta jovem senhorita mantém uma empresa especializada em cosplay (arte de criar fantasias baseadas em personagens de histórias em quadrinhos, animações, filmes, games, etc) chamada Elentari Cosplay, a qual conseguiu dois prêmios na CONvergence, ocorrida na primeira semana deste mês, nos EUA!

Imagens da fantasia feita por Sonja Cool, para CONvergence 2015. A artista levou um ano para fazer a fantasia sozinha e gastou cerca de 300 dólares para terminar o trabalho. E QUE TRABALHO!! FONTE: Dvia

Imagens da fantasia feita por Sonja Cool, para CONvergence 2015. A artista levou um ano para fazer a fantasia sozinha e gastou cerca de 300 dólares para terminar o trabalho. E QUE TRABALHO!! FONTE: DeviantArt

Sonja ganhou os prêmios de Best Master e People´s Choice Award com a inusitada fantasia que recriava o Castelo Animado, que aparece na animação Howl´s Moving Castle, do Estúdio Ghibli. Esta animação de 2004 foi baseada no romance da escritora britânica Diana Wynne Jones e conta a história de Sophie, uma jovem chapeleira que teve sua vida interrompida pela maldição de uma feiticeira, que a transformou em uma idosa de 90 anos. A partir de então, a garota/senhora dá início a uma jornada solitária em busca de dar um novo sentido à sua vida, até ser recebida pelo enigmático mágico Howl, com quem passa a viver diversas aventuras, enquanto vivem num gigante castelo ambulante, movido pela mágica de um demônio de fogo chamado Calcifer. Neste sentido, os personagens vivem num mundo dividido pela guerra, onde a tecnologia e a magia são utilizados para causar a destruição e o mágico Howl luta para proteger os inocentes.

Este é o fofíssimo demônio de fogo Calcifer, cujo poder mantém o castelo em funcionamento.

Este é o fofíssimo demônio de fogo Calcifer, cujo poder mantém o castelo em funcionamento. FONTE

Se você nunca ouviu falar no Estúdio Ghibli, não se descabele! Esta empresa foi criada durante a década de 1980 por Isao Takahata, Toshio Suzuki e Hayao Miyazaki com a ideia de poderem produzir audiovisuais com maior cuidado e sem precisarem correr como loucos para seguir os prazos curtíssimos que a indústria japonesa de animações impunha (e ainda impõe) aos criadores. Esta proposta possibilitou a elaboração de obras que ficaram conhecidas por serem muito inovadoras e carregadas de críticas sociais e culturais da sociedade contemporânea, ao mesmo tempo que inundam nossos olhos com a estética de um universo fantástico.

Da esquerda para a direita, Hayao Miyazaki, Isao Takahata e Toshio Suzuki. Fonte: StudioGhibli.com.br

Da esquerda para a direita, Hayao Miyazaki, Isao Takahata e Toshio Suzuki. Fonte: StudioGhibli.com.br

Neste processo, muito da direção de arte e roteiro ficavam nas mãos de Hayao Miyazaki que, por seu olhar ousado e inventivo, terminou por criar mundos de devaneios (ou seja, umas “viagens” muito loucas) jamais imaginados, os quais encontram referências na mitologia japonesa, ficção científica e literatura de fábulas, sempre misturados com cenários de um cotidiano rural e cheio de paisagens ricas em detalhes. Por este motivo, este artista (que, na verdade, é formado em Ciências Política e Econômica pela Universidade Gakushin) acabou por ficar conhecido como o Walt Disney do Japão!

Capa do livro de Daiana Wynne Jones, que foi a base para o roteiro da animação.

Capa do livro de Daiana Wynne Jones, que foi a base para o roteiro da animação. Fonte: WarpDay.blogspot.com.br

As obras do Estúdio Ghibli contam sempre com a interação entre homem e natureza e refletem a experiência de Miyazaki – o qual trabalhou com pesquisas sobre literatura infantil – e atualmente são até mesmo tema de teses acadêmicas, como a de Andrew Shaner que realizou a monografia “Defining Steampunk through the films of Hayao Miyazaki” (Definindo o Steampunk por meio dos filmes de Hayao Miyazaki), para a PENNSYLVANIA STATE UNIVERSITY. Se você não sabe, steampunk é uma variação do estilo literário chamado CYBERPUNK, sobre o qual falei um pouco já uma vez. A tese desse cara é bem legal, porque fala sobre as principais obras de Miyazaki e procura fazer uma análise bem elaborada das referências e técnicas utilizadas por este artista japonês.

Em sua tese, Shaner indica a referência da Historiadora e autora do livro “Samurai from Outer Space: Understanding Japanese Animation” (Samurai do Espaço: entendendo a animação japonesa) Antonia Levi que, ao falar sobre O Castelo Ambulante, relaciona os efeitos da guerra sobre o homem. Até traduzi um pedaço do livro dela que ele usou na tese aqui:

 “Howl é uma maravilhosa metáfora para o que acontece com os soldados […] na guerra. Ele luta apenas para defender os outros, especialmente aqueles que ama, mas o ato de combater está transformando-o em um monstro…”

Imagem retirada da animação O Castelo Animado que revela Howl abraçado com Sophie. Percebam a riqueza dos detalhes do céu e as sombras sobre os personagens.

Imagem retirada da animação O Castelo Animado que revela Howl abraçado com Sophie. Percebam a riqueza dos detalhes do céu e as sombras sobre os personagens.

Não quero me estender mais para evitar spoiler (contar detalhes do que acontece na animação) e permitir que vocês possam assistir a esta verdadeira obra de arte com calma. Desta maneira, vocês poderão perceber, por si mesmos, o quão belo é o trabalho do Estúdio Ghibli. Tenho certeza que depois de ver O Castelo Animado vocês, assim como eu, terão vontade de conhecer mais sobre o trabalho de Hayao Miyazaki.

#Ficaadica

PaleoNerd

COMENTÁRIOS

Desembuche aqui:

Share this:

About the Author

PaleoNerdMe chamo Denis e sou professor de História. Concluí minha Graduação em Licenciatura em História na Universidade Estadual Paulista – UNESP, Câmpus de Assis-SP em 2009. Em 2014 concluí minha Especialização em Educação, Arte e Multimeios pela Unicamp. Atuo na área desde 2010, ministrando aulas para o Ensino Fundamental, Ensino Médio, Cursos Pré-Vestibulares, assim como, palestras e oficinas para jovens e adultos.

View all posts by PaleoNerd

Leave a Reply