Conheça a alface do espaço!

Conheça a alface do espaço!

A equipe da Estação Espacial Internacional acabou de provar o sabor da primeira alface plantada no espaço! Nas variedades verde e vermelha a alface romana foi a primeira planta que os astronautas conseguiram plantar, cultivar e colher no interior de uma estação espacial. Este grande feito se deu por meio da criação de uma câmara especial (nomeada Veggie), que ilumina as raízes da planta com LEDs vermelhos, verdes e azuis.

Steve Swanson ao lado da estufa carinhosamente chamada Veggie. Fonte NASA

Steve Swanson ao lado da estufa carinhosamente chamada Veggie. Fonte NASA

Acontece que alface foi escolhida para o cultivo, devido sua longa história no processo de desenvolvimento da agricultura humana, o qual remonta há cerca de 5.000 anos. A alface romana é uma das mais antigas verduras cultivadas no planeta e podemos encontrar registros com referências à esta planta dentre hieróglifos de 3.000 a.C..

à esquerda você pode ver uma alface romana e, ao lado, uma representação hieroglífica desta interessante verdura. FONTE

à esquerda você pode ver uma alface romana e, ao lado, uma representação hieroglífica desta interessante verdura. FONTE: AFinialWorld

Os pesquisadores acreditam que as alfaces modernas foram desenvolvidas a partir de uma versão espinhosa e amarga, nativa do Mediterrâneo e do Oriente Médio, as quais não era utilizada para alimentação, mas sim como um afrodisíaco por suas sementes oleosas e sua secreção. Por este motivo, os antigos egípcios dedicaram este “Viagra da antiguidade” ao deus Min, da fertilidade.

Como todos os modernos alfaces cultivadas, alface desenvolvido a partir de uma alface selvagem espinhoso e amargo, nativa do Mediterrâneo e do Médio Oriente. Em sua encarnação original, ninguém realmente queria comê-lo. Em vez disso, foi premiado por suas sementes oleosas e para a sua secreção leitosa-tecnicamente, foi apontado como um afrodisíaco que de látex. Os antigos egípcios, para quem a alface foi um tipo de Viagra, dedicaram esta planta à Min, o deus da fertilidade. Esta divindade era sempre representada na forma masculina e é visto por alguns pesquisadores como a influência para o deus grego Pan.

Deus egípcio Min FONTE: Printerest

Deus egípcio Min . A mão esquerda dele é uma referência à….. hum….. à  alface romana, dentre outras coisas. FONTE: Printerest

De qualquer forma, a versão selvagem desta alface é relacionada à potência sexual e o látex por ela produzido era associado ao sêmen masculino. Neste sentido, os egípcios, em épocas de colheitas, retiravam sua imagem do templo e a levavam para os campos, onde realizavam o Festival da partida de Min, que consistia em abençoar as colheitas e realizar jogos nús, em sua homenagem. Espera aí que ainda não terminou! O ponto alto desta festa era o momento em que os caras (peladões) escalavam um enorme poste, no qual uma barraca era armada. #piadapronta

Por mais engraçado que isso possa soar, a alface não era relacionada somente ao sexo já que, na Roma Antiga, seu látex continha álcoois à base de terpenos potentes (são hidrocarbonetos, geralmente formados por um conjunto de isoprenos), os quais eram o suficiente para fazer as pessoas ficarem sonolentas. Motivo pelo qual os romanos o serviam no fim das festas. Com o passar do tempo, formas com efeitos soníferos abrandados foram desenvolvidas e esta planta passou a ser servida no início dos banquete como um estimulante de apetite.

Min Fonte: Wikimedia

Min Fonte: Wikimedia

De qualquer forma, a alface romana utilizada na Estação Espacial é descendente uma variação advinda da antiga ilha grega de Kos e conta com um formato oval alongado das folhas, as quais detém nervuras centrais crocantes e forma que lembram colheres. Segundo o livros 100 Vegetables and Where They Came From (100 vegetais e de onde eles vieram), citado pela redatora Rebecca Rupp, para a National Geographic, esta variedade de alface foi aperfeiçoada na Síria, onde as folhas foram usadas como colheres comestíveis para tabule.

Sob encargo do astronauta Steven Swanson, o projeto foi desenvolvido em uma pequena caixa que continha “travesseirinhos” feitos de um material que imitava terra (o mesmo utilizado atualmente em campos de golf e baseball) enriquecido com um tipo de fertilizante em pelotas, que liberava os nutrientes bem devagar para as plantinhas. Segundo o artigo, também da National Geographic, “Gardening in Space Gets Ready fo Lift-Off” a técnica de cultivo consiste em manter as plantas em caixas com luzes vermelhas e azuis (as duas cores que mais influenciam o crescimento dos vegetais) e algumas luzes verdes – que contribuem para o desenvolvimento da cor verde nas folhas.

Swanson regando suas plantinhas, ainda no projeto que viria a ser enviado para o espaço.

Swanson regando suas plantinhas, ainda no projeto que viria a ser enviado para o espaço. FONTE: DigitalTrends

Ventiladores fizeram o ar (que é o mesmo utilizado pelos astronautas) circular no interior da caixa, cujas paredes contribuíam para manter a umidade das plantas. Para contornar o problema da irrigação – já que a água no ambiente sem gravidade se transforma em gotículas – consistiu em utilizar tubos gotejadores que passavam pelo interior do material de crescimento e eram ligados à uma bolsa de águas, que era reabastecida pelos astronautas todos os dias. Além disso, cuidar da “Veggie” era um interessante atividade de recreação e relaxamento para estas pessoas, confinadas no reduzido espaço da estação por meses.

Além deste projeto, a NASA mantém outros testes, dentre os quais incluem até a produção de alimentos com auxílio de impressoras 3D!

Ideia para produção de alimentos no futuro, em Marte. Fonte: Nasa

Ideia para produção de alimentos no futuro, em Marte. Fonte: Nasa

COMENTÁRIOS

Desembuche aqui:

Share this:

About the Author

PaleoNerdMe chamo Denis e sou professor de História. Concluí minha Graduação em Licenciatura em História na Universidade Estadual Paulista – UNESP, Câmpus de Assis-SP em 2009. Em 2014 concluí minha Especialização em Educação, Arte e Multimeios pela Unicamp. Atuo na área desde 2010, ministrando aulas para o Ensino Fundamental, Ensino Médio, Cursos Pré-Vestibulares, assim como, palestras e oficinas para jovens e adultos.

View all posts by PaleoNerd

Leave a Reply