Como se formaram as Pólis gregas?

Como se formaram as Pólis gregas?

Sempre estamos a falar sobre como é viver uma democracia no século XXI, ainda mais nestes momentos em que os debates sobre política têm ganhado cada vez maior espaço nas redes sociais. Mas por acaso você faz ideia de onde surgiu a ideia de democracia?

Lá para o século IX a.C., na Grécia Antiga, o aumento populacional e a ausência de boas terras para a realização do cultivo foram responsáveis diretos para o colapso do sistema gentílico. Este sistema foi, por muito tempo, a base da organização social destas populações, que se agregavam em grandes grupos familiares interessados em cultuar um antepassado considerado comum à todos. Estas COMUNIDADES GENTÍLICAS (também conhecidas como GENOS) eram lideradas por um homem mais velho, que reunia os poderes religioso, político e militar em torno de sua pessoa – isso quer dizer que ele mandava em tudo por ali. Além disso, o líder era responsável por administrar a economia agropastoril (baseada na agricultura e pastoreio) desta comunidade, cujo trabalho era familiar e a propriedade coletiva. Desta forma, ninguém era o único dono da terra e todos deveriam trabalhar juntos para o sustento da comunidade.

Sítio arqueológico onde esteve situada a ágora ateniense. FONTE

Sítio arqueológico onde esteve situada a ágora ateniense. FONTE

Mas, como falei, isso estava em um processo de mudanças e a fome logo começou a afetar estas comunidades. Por este motivo, as disputas pelo poder e pela distribuição das riquezas começou a ficar cada vez mais violenta, de forma a dar espaço para a acentuação das desigualdades. Isto porque alguns membros dos GENOS passaram a afirmar que tinham maiores direitos do que os outros por serem os parentes mais próximos do herói que era cultuado pelo grupo. Tanto que começaram a se chamarem por eupátridas (que, em grego, significa algo como “os bem nascidos”) e deram início ao processo de privatização das terras.

Enquanto tudo isso acontecia no interior dessas comunidades, a prática do comércio se desenvolveu muito e levou estas populações a explorarem e colonizarem as terras na região do Mar Egeu e Asia Menor. Desta forma, percebemos a formação de cidades que eram dotadas de características políticas, econômicas, sociais e religiosas próprias. Além disso, o contato com os fenícios (já desde o século X a.C.) levou estas populações a adotarem o uso da escrita fonética, que foi incrementada com a introdução das vogais.

Estas colônias passaram a ser chamadas Pólis – palavra em grego para cidade – e eram autônomas, ou seja, não estavam submetidas a nenhuma outra cidade. Por esta razão, chamamos esta organização política de cidades-estado, na qual cada uma contava com sua própria administração.

Representação da Pólis, pelo ilustrador Fernando Vergara Piña

Representação da Pólis, pelo ilustrador Fernando Vergara Piña

Você pode estar se perguntando aí: Mas, se as cidades eram autônomas, por que chamamos todas elas de gregas?

Bom, em primeiro lugar, estes povos jamais se definiram como gregos! Esta definição foi imposta pelos romanos, quando conquistaram a região bem mais tarde. Na verdade, eles se definiam como “o povo de Hélade” ou helenos e, apesar de não dependerem umas das outras, estas Pólis compartilhavam de uma mesma cultura, como a língua, religião e outras práticas sociais – tanto que o contato comercial e social entre elas era muito comum.

De qualquer forma, diferente do que é mostrado em filmes e animações, a Pólis era essencialmente agrícola e seu território compreendia vastas áreas de cultivo, com um pequenino centro urbano, onde ficavam a Acrópole e a Ágora. A Acrópole era uma fortificação amuralhada, situada no ponto mais alto da região, onde ficava o mais importante santuário do politeísmo cultuado pelas pessoas daquela região.

Ágora, por usa vez, era a praça central da Pólis e abrigava o mercado e outros edifícios públicos, regidos pela elite. Além do mais, este lugar era utilizado como praça de reunião dos cidadãos, que iam até ali para decidir sobre medidas a serem tomadas na Pólis. Por este motivo, os autores costumam dizer que a Ágora é o berço da democracia grega. Mas tenha cuidado! A democracia helenística não era como a nossa e somente uma pequena parte masculina da população que vivia nas Pólis podia participar da política da cidade.

Esta animação curta-metragem em computação gráfica foi produzida pelo The Hellenic Ministry of Culture (Ministério Helênico de Cultura) e procura retratar o trajeto histórico pelo qual passou a mais conhecida acrópole grega, em Atenas.

COMENTÁRIOS

Desembuche aqui:

Share this:

About the Author

PaleoNerd

Me chamo Denis e sou professor de História. Concluí minha Graduação em Licenciatura em História na Universidade Estadual Paulista – UNESP, Câmpus de Assis-SP em 2009. Em 2014 concluí minha Especialização em Educação, Arte e Multimeios pela Unicamp. Atuo na área desde 2010, ministrando aulas para o Ensino Fundamental, Ensino Médio, Cursos Pré-Vestibulares, assim como, palestras e oficinas para jovens e adultos.

View all posts by PaleoNerd

Leave a Reply